Ode às Sementes

Penso que uma das sensações que mais me conforta é a do cheiro que frutos tostados no forno libertam pela casa. Esta receita tem esse efeito. Em dias frios de Inverno, em que o aconchego caseiro é tudo o que se deseja, nada melhor que potenciar esse aconchego, perfumando a casa com o cheiro de pão fresco. E, naturalmente, juntar todos à mesa para um lanche simples, delicioso e saudável, cheio de sementes crocantes e nutritivas.

DSC_0499

Pão rico em Sementes

Inspiração: My New Roots

DSC_0487

  • 135g sementes de girassol
  • 90g sementes de linhaça
  • 65g nozes
  • 145g farelo de aveia
  • 2 c. sopa sementes de chia
  • 3 c. sopa psílio em pó
  • Sal
  • 1 c. sopa mel
  • 1 c. sopa óleo de côco
  • 350 mL água

Combinar bem todos os ingredientes secos. Numa taça, misturar o mel, óleo de côco e água. Juntar aos ingredientes secos e misturar bem até ficar uma massa seca. Deixar repousar pelo menos 2h.

Pré-aquecer o forno a 180ºC e forrar uma forra rectangular com papel vegetal.

Colocar a massa na forma e levar ao forno durante 20 min. Remover o pão da forma e colocá-lo novamente e “de pernas para o ar” directamente na grelha. Assar durante mais cerca de 30 min (deverá fazer um som oco, quando bater). Deixar arrefecer completamente antes de cortar.

Bom apetite!!

DSC_0495

DSC_0522

Anúncios

“Inserir destino final”

Lembro-me das nossas viagens em família pela Europa fora, numa época ainda pré-GPS, guiados apenas por mapas e por indicações nas estradas. Não me recordo de termos andado verdadeiramente perdidos, mas lembro-me de, por vezes, darmos umas boas voltas até chegarmos ao local pretendido. Na semana passada, confiei no meu GPS para me guiar até um sítio para mim desconhecido. Claro que o obriguei a recalcular o percurso várias vezes e acabei por dar mais umas voltinhas que as necessárias. Mas não andei perdida, tinha o meu destino bem traçado, sabia onde queria chegar. A nossa vida não foge a este esquema. Se tivermos o nosso horizonte bem definido e mantivermos os olhos nele focados, não há forma de nos perdermos. Podemos andar às voltas, sentirmo-nos absorvidos e afogados pelas complexidades dos inúmeros problemas com que somos confrontados diariamente, mas há uma linha condutora que nos guia e que nos pode ir sempre aproximando daquilo que queremos para a nossa vida, mesmo que por vezes tenhamos a sensação que andamos bem distantes dela. Enquanto crianças acreditamos que essa linha é formada pelos nossos sonhos, ao crescermos envergonhamo-nos desta nossa capacidade de sonhar e passamos a chamar-lhe valores e objectivos de vida. No entanto, parece-me que se nos agarrássemos mais à ideia de sonho, mais facilmente acreditávamos na possibilidade do impossível e colocaríamos menos barreiras a trabalhar por aquilo que queremos ver projectado no nosso amanhã.  É imperioso continuarmos a questionarmos-nos frequentemente e sem medo sobre qual o destino que queremos inserir no nosso GPS, pois vai ser ele que vai nortear as nossas decisões e vai dar sentido aos nossos investimentos de tempo e de energia. E, sobretudo, vai dar significado aos caminhos que tivermos que percorrer, por vezes mais longos ou mais difíceis que o esperado, mas sempre guiados pela chama de um sonho que nos pertence.

 20170426_195823

Bolo de Beterraba e Chocolate

Estamos habituados à rotina, a preferir os caminhos que já conhecemos bem e a estranhar e evitar o que foge do habitual, correndo o risco de não nos deixarmos surpreender pela novidade. Neste bolo entra em destaque a beterraba, um convidado pouco frequente na doçaria tradicional e que mais facilmente desperta um franzir de sobrolho que algum tipo de entusiasmo ou curiosidade. Mas acreditem que vale a pena experimentar. A beterraba oferece uma textura húmida ao bolo de chocolate, sem o pretensiosimo de se querer sobrepor ao ouro dos incas, mas antes dota-o de uma maior profundidade. Surpeendam-se e deliciem-se!

DSC_0428

Bolo de Beterraba e Chocolate

Para cozinhar a ouvir com: 🎵🎵🎵

(Adaptado de “Vegetariano todos os dias – Green Kitchen Stories”, David Frienkiel e Luise Vindahl)

DSC_0433

  • 90 mL de azeite
  • 120 mL mel
  • 50g chocolate negro (min 70%), em pedaços
  • 250 g beterraba crua, ralada
  • 3 ovos
  • 200 g farinha de aveia
  • 2 c. chá fermento em pó
  • 5 c. sopa de cacau em pó
  • 1 pitada de sal
  • Nozes e pepitas de cacau puro (opcional, a gosto)

Pré-aquecer o forno a 180ºC e forrar uma forma de bolo inglês com papel vegetal.

Aquecer o azeite numa caçarola em lume brando. Juntar o mel e o chocolate e mexer até derreter. Retirar do lume e envolver a beterraba ralada.

À parte, bater os ovos e, depois, juntar à caçarola.

Peneirar a farinha e o cacau para a mistura de beterraba e envolver. Juntar o fermento em pó, o cacau, sal, as nozes e as pepitas de chocolate.

Deitar na forma e levar ao forno durante 20-30 min.

Deixar arrefecer antes de desenformar.

Bon appétit!

DSC_0435

Caminho de voltar

Aprendemos que o caminho se faz andando em frente, mas na verdade muitas vezes só se consegue fazê-lo voltando para trás. Há uns dias fui percorrer um pequeno trilho em direcção a uma queda de água, com o principal objectivo de fotografar a luz e as cores do outono. O percurso de ida foi agradável pelo silêncio, apenas preenchido pelo chilrear dos pássaros, pela companhia do curso de água e pela sempre boa sensação que é atingir um objectivo. Contundo, esperava cores de outono mais vibrantes e não tons de castanho a gritar a seca. O caminho de voltar pemitiu-me saborear a paisagem com uma nova luz e conseguiu preencher-me o coração. Foi exactamente o mesmo trilho, mas possivelmente os meus olhos estavam mais preparados para contemplar a natureza, tal como ela é. Demorei mais tempo a regressar, estive mais tempo simplesmente parada a admirar a envolvência e a procurar capturar da forma mais fiel possível estes breves momentos. Lembrei-me que na vida, por vezes, é preciso retroceder uns bons passos para que sejamos inundados por alguma claridade e possamos dar o real valor não só ao presente, mas ao próprio passado. Só olhando para trás é possível recordar conscientemente as maravilhas com que vamos sendo presenteados e, assim, caminhar confiadamente em direcção ao futuro

DSC_0021

 

Amar um mundo perfeitamente imperfeito

“He looked around, as if he was seeing the world for the first time. Beautiful was the world, colourful was the world, strange and mysterious was the world! Here was blue, here was yellow, here was green, the sky and the river flowed, the forest and the mountains were rigid, all of it was beautiful, all of it was mysterious and magical, and in its midst was he, Siddhartha, the awakening one, on the path to himself.”

{Hermann Hesse, Siddhartha}

Contrariar a ferocidade dos dias

Desde que o tempo é tempo, que o dia tem 24h, cada hora 60 minutos e cada minuto 60 segundos. No entanto, parece que com a idade vamos perdendo a capacidade de saborear plenamente toda esta realidade na sua verdadeira extensão. Vamos sendo contagiados pela ferocidade que o mundo actual e o seu fascínio pela produtividade económica nos impõem, ficando perdidos no meio de correrias, numa sucessão de aconteceres que deixamos irem-se desenrolando. Perdemos o agora numa tentativa inglória de prepararmos o melhor possível a vida que projectamos para um outro amanhã, que se projecta sempre cada vez mais longe.

Tenho vindo a aperceber-me que esta ferocidade me tem consumido um pouco, me vai roubando a capacidade de me maravilhar com o extraordinário no ordinário e me torna impaciente, incapaz de respeitar os ritmos naturais da vida. A melhor maneira de contrariar esta tendência é através do despertar dos sentidos para a beleza do que me rodeia. Sento-me ao fim do dia na varanda e deixo que os suaves pores do sol de verão me ensinem qual a verdadeira velocidade que deve reger a minha vida, a velocidade que me permite abrir os olhos à contemplação e à acção de graças, a velocidade que me permite saborear o momento do agora, esperando serenamente pelo momento seguinte.

“Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo dos céus” 

🎵🎵🎵

20170807_204809

Tempo, tempo, tempo

DSC_0033

Guardo com algum saudosismo a memória das nossas férias passadas em família pela Europa fora. As saídas de madrugada, ainda bem antes do sol se levantar, mas com a energia de quem tinha dormido uma bela noite de sono. As bandas sonoras que nos entretiam ao longo de muitas horas seguidas de carro. O explorar descomplicado dos limites das nossas zonas de conforto. O caminhar em direcção ao desconhecido, sem planos traçados, nem horários rígidos, com a total liberdade de ir desvendando o caminho. As visitas a todas as igrejas que apareciam pelo caminho, sempre a agradecer pelas oportunidades extraordinárias com que éramos presenteadas. As paisagens fantásticas que os nossos pais nos ensinaram a admirar. O viver o presente no tempo certo, sem estar com preocupações projectadas para o futuro, nem a remoer um passado que já não é possível mudar. E, sobretudo, a certeza e o conforto de ter ali comigo e a viver aquele presente quatro das pessoas mais importantes da minha vida. O tempo que os meus pais investiram nestes momentos é das maiores lições e das maiores dádivas que alguma vez podiam ter dado.

A vida foi-me ensinando que o tempo que passamos com os outros, não é um “gasto”, mas sim um investimento e a memória destes momentos reforça esta ideia. Só é possível cimentar relações conhecendo a outra pessoa e, para isso, temos que nos dispor a utilizar o nosso tempo para tal. Num mundo em que, muitas vezes, parece que não somos mais que pequenas formiguinhas a correr de um lado para o outro atarefadas, oferecer o nosso tempo a alguém é uma dádiva preciosa e um exercício de altruísmo.  A verdade é que, na vida de relação, sempre que nos arriscamos a semear, colhemos algo. Pode não ser no tempo que esperamos, nem na forma como pensamos. O mais importante acaba por ser ir fazendo caminho e aproveitando estes momentos e estas companhias que ele nos oferece, explorando ao máximo o infinito temporal que se esconde nestes gerúndios temporais.

“Tempo a gente tem
Quanto a gente dá
Corre o que correr
Custa o que custar”

{Rodrigo Amarante}